Nave de portas abertas

O Colégio Estadual José Leite Lopes – Núcleo Avançado em Educação (NAVE), programa de educação do Oi Futuro, em parceria com a Secretaria de Educação do Estado do Rio, promove, nos próximos dias 28 e 29, o evento NAVE de Portas Abertas. Nesses  dois dias, a instituição vai  realizar exposições de trabalhos, oficinas e mesas-redondas com o objetivo de refletir sobre o contexto da educação, tecnologia e ensino. A proposta é compartilhar práticas e resultados do projeto com estudantes e educadores de outras escolas e comunidade do entorno.

A abertura oficial acontecerá no dia 29 de outubro, quinta-feira, às 9h30, com a presença do secretário de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Antonio Vieira Neto, a diretora do colégio, Ana Paula Bessa, e o vice-presidente do Oi Futuro, Roberto Terziani. Na ocasião, haverá o lançamento da primeira edição da Revista NAVE – Inspirações para Novas Práticas, que reúne artigos produzidos por professores do Ensino Médio da instituição, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento de novas formas de ver, entender e praticar a educação.

Entre os destaques da programação estão as oficinas de Robótica para Educadores, Introdução ao Game Design, Introdução ao Curso de Roteiro e Design Thinking para Educadores. Essas atividades – cujos interessados devem se inscrever – acontecerão no dia 28 de outubro. As oficinas são gratuitas.

confira a relação das atividades

Há ainda três mesas-redondas: Como inovar dentro de um modelo tradicional de ensino?; Um olhar integral sobre o currículo: perspectivas para 2016 a partir da implementação da Base Comum Nacional; e A pesquisa docente como prática reflexiva.

clique aqui e veja os participantes

Saiba mais

Criado pelo Oi Futuro em parceria com os governos do Rio de Janeiro e de Pernambuco, o NAVE é um programa de Ensino Médio integrado ao profissionalizante que tem como objetivo desenvolver metodologias educacionais e formar jovens para trabalhar com novas tecnologias, preparando-os para profissões contemporâneas na área digital e criativa, tais como a produção de games, aplicativos e produtos audiovisuais.

No Rio, o Colégio Estadual José Leite Lopes, que integra o projeto NAVE, funciona em horário integral e oferece cursos de Multimídia, Roteiro para Mídias Digitais e Programação de Jogos Digitais. Em 2009, a unidade escolar foi eleita pela Microsoft como uma das 32 escolas mais inovadoras do mundo.

O NAVE de Portas Abertas é um evento anual em que a comunidade escolar se prepara para receber visitantes e apresentar os projetos integrados desenvolvidos, iniciativas inovadoras e didáticas, compartilhando experiências com o público externo.

Vítima da estrutura

Por Victor Hugo Liporage
Estudante do Colégio Estadual José Leite Lopes – Núcleo Avançado em Educação
Do site Capivara Branca

Aos meus professores, que sejam eternamente educadores e não treinadores.

Aprendi no Enem que nosso propósito não é aprender, e que os dias 24 e 25 de outubro são uma grande peneira nacional. Não me entenda mal, esse texto não serve apenas pra malhar o exame; longe disso. Posso dizer que as questões as quais fiz com mais segurança foram de conhecimentos gerais, graças a minha curiosidade irrefreável que me faz ler notícias. E no quesito “conhecimentos gerais” o Enem vai bem. Quer dizer, mais ou menos.

Começo escrevendo minha dissertação com um parágrafo de uma linha, seguido por outro parágrafo que já parte pro que seria o “desenvolvimento”, e logo em seguida converso contigo, leitor, explicando minha metodologia de escrita. Assim, do nada. Não é que eu não concorde com a estrutura preestabelecida de uma redação, mas minha irregularidade serve como exemplo pro meu ponto de vista: somos vítimas da estrutura e o Exame Nacional do Ensino Médio é uma espécie de seleção natural regulada.

Nossa única oportunidade pra estimular o senso crítico é na redação, e o que define nosso ingresso numa faculdade de ponta é interpretação de texto e quantas fórmulas conseguimos gravar. Volto a citar o item “conhecimentos gerais”, algo tão priorizado pelo exame, mas que na maior parte das vezes fica refém de questões com grau de especificidade altíssimo, servindo apenas pra ajudar a mascarar sua importância.

A definição de Seleção Natural é assustadoramente condizente com o que é o Exame Nacional de Ensino Médio. Julgue-me sofista, mas ouso dizer: somos bichos batalhando por um lugar em nosso habitat natural.

texto enem

Nos tornamos selvagens e pulamos grades em busca da “comida”, mobilizamos holofotes na tragédia e somos reféns dos mais fortes.

Entenda bem, há mais fortes, e não mais capazes. Na teoria, somos todos capazes. Se o estudante de colégio privado tem toda uma estrutura que o ajuda é se sair melhor na hora da prova, isso acontece porque ele tem que ser diferenciado, afinal, há cotas raciais para alunos do sistema público de ensino. As cotas são justas? Esse não é o ponto. Mas se existem, a balança pende pra certo lado. A partir do momento que uma “ajuda” é necessária dentro de uma competição, vemos que essa competição não é sadia. E afinal, existe alguma competição sadia?

Nunca fiz pedagogia, muito menos dei aula. Tenho 17 anos e até hoje só fiz uma vez o Enem; quem sou eu pra julgar com unhas e dentes a metologia da prova? Mas falo como um ser humano que, de certa forma, tem experiência. Faço parte do sistema de educação há 15 anos, já não sou mais criança. Nem eu, nem nenhum dos Victor que estavam na minha sala. Nem eu, nem nenhum dos adolescentes que se reuniram por, no mínimo, duas horas pra prestar o concurso Brasil a fora.

Mas beleza, vou tentar. Confesso que tive prazer em fazer as questões de Ciências Humanas – não querendo ser clubista e puxar sardinha pra minha área, já o sendo – mas havia Paulo Freire (este criticando o próprio modelo educacional vigente), ao lado de Simone de Beauvoir e parágrafo formidável de Slavoj Žižek. O que falar de Ciências da Natureza? Infelizmente, minha mãe não pôde me pagar um cursinho. Mas sou grato aos meus professores que tentaram me ensinar da maneira mais didática possível.

Nós, adolescentes, temos muitas boas conversas pra trocar, não precisamos sentar em carteiras separadas. A gente tem muitos bons textos a escrever, não precisamos assinalar qual letra é a mais correta. Não somos terroristas pra ter quer passar por um detector de metais, mas vivemos numa selva onde a concorrência nos leva a querer dar um jeitinho e romper com nossa ética. Mas onde está a ética que o Enem quer que eu saiba definir? Qual é a moral da história?

Está bem, na vida não só faremos coisas das quais gostamos ou são as mais corretas. Se o Brasil é um “país de todos”, que a educação seja pra todos. Um povo com senso crítico leva o país pra frente. Meus professores já me ensinaram isso, mas essa pergunta não caiu no Enem. Não existe meritocracia quando a concorrência é desleal e o avaliador é falho. Cabe muito mais coisa nesse texto, porém fui condicionado a escrever em apenas 30 linhas, sou mais uma vítima da estrutura.

Ainda sobre o professor

Por Marcus Tavares
Editor da revistapontocom
Artigo inicialmente publicado no JORNAL O DIA

Não dá para deixar passar em branco o Dia do Professor, comemorado no último dia 15. Desculpem os profissionais indiretamente envolvidos com a educação que analisam o tema sem estar em sala de aula, mas somente o professor conhece o tamanho da responsabilidade e do ofício que exerce todos os dias. E sobretudo no Brasil, em 2015. Não é uma profissão como outra qualquer. É muito mais complexa do que parece. É um somatório do conhecimento e aprimoramento profissional do indivíduo e do entendimento e bagagem de vida que este carrega.

Nos dias de hoje, ser professor vai muito além do conhecimento técnico especializado de uma determinada área, que deve ser exigido e aprimorado continuamente. Ser professor envolve competências e habilidades para lidar com crianças, jovens e até mesmo adultos em diferentes contextos políticos, sociais, culturais e econômicos. Realidades, por vezes, muito duras, tristes e chocantes.

Com a ausência cada vez maior da presença da família – seja ela qual for – no dia a dia dos estudantes, é o professor que acaba vivenciando muito mais de perto momentos de intensa transformação emocional e corporal dos alunos, participando, inclusive, dos ritos de passagem. E, nestas horas, o que conta e o que se pede não é conteúdo nem conhecimento. É presença. E mais: valores humanos.

Em que aula, por exemplo, mesmo que nas entrelinhas, não se discute ética, moral, solidariedade, respeito? Direitos e deveres? Professor – de sala de aula – sabe disso. E não foge do embate, da polêmica, da crítica, da cara feia. Sabe ouvir, ponderar e, principalmente, se posicionar. Como também sabe que não é – nem pode ser – o pai ou a mãe. Que não é psicólogo nem médico, muito menos babá. É um mediador que, ao contrário do que pensam, sofre pressões internas e externas para melhorar não só o ensino, mas o cidadão de hoje e do amanhã. Ou seja: o seu filho, o meu, o dele: os nossos.

Que outra profissão tem este desafio nas mãos? Nenhuma. E posso garantir que muitos dos professores lutam para que este desafio não escorra pelas mãos. Como seria bom que a sociedade de fato e de direito se unisse a este coro. Como seria bom que as políticas públicas se somassem a este propósito. Como seria bom vivenciar isto tudo dentro da sala de aula.

Vamos conversar?

Mães, avós e professoras. Elas acabam de lançar o site Papo de Pracinha. Trata-se  de um espaço de diálogo que se destina a pensar sobre a vida das crianças em situações cotidianas. A referência à pracinha, explicam as idealizadoras, garante o conforto necessário para conversas livres, sem as amarras acadêmicas que poderiam sugerir algum tipo de superioridade, um certo tom de verdade acabada e, talvez, um engessamento.

“As crianças que conhecemos não cabem nos lugares que previamente determinamos e escolhemos para elas, mas, ao contrário, elas excedem, tensionam e muitas vezes contrariam as nossas expectativas. Por isso estamos convidando amigos, pais e mães, avós, professores, pedagogos, psicólogos e interessados a pensar as crianças de um outro lugar, junto conosco, do banco da pracinha. Vamos?”, convida Maria Inês Delorme e Angela Meyer Borba.

O espaço já conta com duas reflexões:

O que é brinquedo? As crianças respondem!

Sobre as autoras:

Maria Inês de C. Delorme é casada, mãe de quatro filhos e, avó pela segunda vez em 2015. Professora de Educação Infantil da SME, Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro e, também, do Departamento de Estudos da Infância da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Pos-doutorada em Educação e Ciências da Comunicação, em 2012, Lisboa. Pesquisadora, autora de livros sobre crianças e suas Infâncias.

Angela Meyer Borba é casada, mãe de duas filhas e  avó pela primeira vez em 2015. É doutora em Educação pela Universidade Federal Fluminense e mestre em Educação pela PUC-Rio. Atualmente integra o corpo docente do curso de Especialização em Educação Infantil, na PUC-Rio, e atua como pesquisadora e consultora na área de Infância e Educação Infantil, em diferentes projetos. Foi professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (1992-2013). De 1997 a 2013, integrou o grupo gestor da Creche UFF, onde desenvolveu diversos projetos e pesquisas, e ocupou a função de coordenadora pedagógica em diferentes períodos.

Júri Jovem 2015

De 4  a 11 de novembro,  o Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – Curta Cinema completa 25 anos e, mais do que nunca, cheio de histórias para contar. O público poderá conferir filmes que foram destaques nos principais festivais de cinema do mundo. Em cartaz, mais de 280 produções nacionais e internacionais, bem como atividades paralelas que não apenas colaboram para a democratização de acesso aos bens culturais, mas incentivam a produção de jovens profissionais utilizando o audiovisual como uma ferramenta de reflexão sobre o mundo e os valores que nos rodeiam.

E pelo nono ano consecutivo, o evento contará com a participação de um Júri Jovem. Instituído pela primeira vez no Brasil, o júri foi inspirado na experiência de sucesso do renomado Festival de Curtas de Clermont Ferrand. O objetivo é criar maior interação entre estudantes da rede de ensino da cidade do Rio de Janeiro, o Festival e o curta-metragem em geral. Pretende-se desvendar o “olhar” do jovem para o audiovisual. As inscrições estarão abertas até às 18h do dia 26 de outubro de 2015.

Serão selecionados 10  estudantes para fazer parte do Júri Jovem. Eles serão divididos em dois grupos: cinco integrarão o Júri Jovem Nacional e outros cinco o Júri Jovem Internacional. Os jurados terão que assistir a todas as mostras competitivas respectivas ao seu Júri, exibidas durante o Curta Cinema. Após a última sessão, o Júri se reunirá para escolher o prêmio de melhor curta nacional e melhor curta internacional.

Para proceder a inscrição, é preciso ler o Regulamento, assistir a um dos curtas abaixo e preencher a ficha de inscrição, selecionando o filme de sua escolha.

Filme 1 – A Fábrica, de Aly Muritiba, 2011
Filme 2 – Hiato, de Vladmir Seixas, 2008
Filme 3 – Desventuras de um dia, de Adriana Meirelles, 2004

Os filmes podem ser vistos através do link indicado, no site do Porta Curtas.

Cinéma d’Animation

Quem curte animação não deve perder o “Fetê du Cinéma d’Animation 2015”, que acontece de 26 a 30 de outubro, sempre às 17h30, no Auditório da Aliança Francesa, em Botafogo. Serão exibidos diversos longas e curtas de animação em francês com legendas em português. A entrada é franca. Serão distribuídas senhas  1 hora antes da exibição, na recepção da instituição. O auditório da Aliança Francesa fica na Rua Muniz Barreto, 730, em Botafogo.

Confira a programação:

Segunda-feira – 26/10 – 17h30
Curta : UNE PETITE HISTOIRE DE L’IMAGE ANIMEE (2006) | de Joris Clerté
Duração : 4 minutos
Classificação : a partir de 8 anos
Sinopse : Descubra enfim a verdadeira história da imagem animada ! Da caverna de Platão a Harry Potter, passando por King Kong… Dos efeitos especiais mais mágicos aos efeitos digitais, explicaremos tudo em 3 minutos.

Longa : GUS PETIT OISEAU ET GRAND VOYAGE (2014) | de Christian De Vita
Classificação: 91 minutos
Público : a partir de 6 anos
Sinopse : Na hora de partir para a grande migração, Darius, o líder do bando se machuca e deve confiar todos seus segredos e o novo itinerário de viagem a um passarinho órfão que nunca saiu de seu ninho. E este passarinho é o nosso herói, empolgado com a ideia de descobrir o mundo em uma aventura cheia de descobertas e surpresas!

Terça-feira – 27/10 – 17h30
Curta : LA BUCHE DE NOËL (2013) | de Stéphane Aubier, Vincent Patar
Duração : 25 minutos
Classificação : a partir de 8 anos
Sinopse : Indien e Cowboy aguardam com impaciência seus presentes de natal. Agitados pelos preparativos da festa, eles brigam e destroem sem querer a sobremesa que o Cavalo acabava de dar o toque final. Furioso, Cheval cancela o pedido dos presentes ao Papai Noel. Como reconquistar os favores de Cheval e Papai Noel? Como recuperar seus presentes?

Longa : COULEUR DE PEAU: MIEL (2011) | de Jung Sik-jun, Laurent Boileau
Duração : 75 minutos
Classificação : a partir de 10 anos
Sinopse : Depois da guerra da Coréia, 200 000 crianças são disseminadas pelo mundo. Entre eles, Jung nasce em Seul e aos 6 anos é adotado por uma família belga. Adaptação do romance Couleur de peau : Miel, o filme retrata momentos importantes da vida de Jung.

Quarta-feira – 28/10 – 17h30
Curta: L’ENFANT AU GRELOT (1998) | de Jacques-Rémy Girerd
Duração : 26 minutos
Classificação: a partir de 6 anos
Sinopse : Depois de uma tempestade de neve, um bebê abandonado é encontrado por um carteiro no meio da floresta. Ele tem preso à sua mão, um curioso sininho. A criança, Charlie, cresce em um orfanato junto com outros seis rapazes e vê em seu sininho uma chance de descobrir o mistério de suas origens.

Longa: LE TABLEAU (2011) | de Jean-François Laguionie
Duração : 76 minutos
Classificação: a partir de 8 anos
Sinopse : Um castelo, jardins floridos e uma floresta ameaçadora… Eis o que um pintor por razões misteriosas, deixou inacabado. Em sua tela, vivem três tipos de personagens: os Toupins, que estão inteiramente pintados, os Pafinis, os quais faltam algumas cores e os Reufs, que não são mais que meros esboços. Os três personagens escapam da tela inacabada e tentam encontrar o pintor, na esperança de que ele a complete.

Quinta-feira – 29/10 – 17h30
Curta: CUL DE BOUTEILLE (2010) |de Jean-Claude Rozec
Duração : 9 minutos
Classificação: a partir de 8 anos
Sinopse : A notícia terrível chega: profundamente míope, Arnaud precisa usar óculos com lentes tão grossas que fazem seus olhos parecerem pontinhos pretos. Arnaud não gosta de seus binóculos assustadores e prefere de longe o mundo impreciso e mutável de sua miopia, um mundo povoado por monstros e criaturas que aparecem graças a sua fértil imaginação.

Longa: MIA ET LE MIGOU (2008) | de Jacques-Rémy Girerd
Duração : 91 minutos
Classificação : a partir de 6 anos
Sinopse : Mia é uma menina de apenas 10 anos. Alertada por um pressentimento, ela decide sair de sua cidade natal para ir em busca de seu pai, que trabalha em uma obra gigantesca para transformar uma floresta tropical em um luxuoso hotel. A jornada será longa para Mia encontrar seu pai.

Sexta-feira – 30/10 – 17h30
Curta: LA BELLE FILLE ET LE SORCIER (1991) | de Michel Ocelot
Duração : 3 minutos
Classificação: a partir de 6 anos
Sinopse : Uma moça pouco atraente se lamenta de sua sorte e encontra por acaso um feiticeiro “que cai do céu” como uma fada-madrinha. Ele a transforma em uma bela princesa da Idade Média. Mas isso não resolve o problema de sua solidão.

Longa: LE ROI ET L’OISEAU (versão restaurada) (1979) | de Paul Grimault
Duração: 83 minutos
Classificação: a partir de 8 anos
Sinopse : Um rei muito vaidoso, cruel e que adora caçar passarinhos, governa o reino da fazendo toas as vontades de Sua Ignorante Majestade. Mas, durante uma enigmática noite, deliciosamente, as estátuas e os personagens dos retratos do Rei ganham vida e se divertem pelo castelo e pelo mundo a sua volta.

Cinema e Educação

Do dia 3 a 7 de novembro, a Cinemateca do Museu de Arte Moderna MAM-Rio recebe o VIII Encontro Internacional de Cinema e Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o I Encontro Internacional de Cinema e Educação da Universidade Federal Fluminense e o I Fórum da Kino-Rio da Rede Latino-Americana de Educação, Cinema e Audiovisual. A entrada é gratuita.

O evento conta com encontros, seminários e um conjunto de oficinas ministradas pela professora, historiadora e educadora Alicia Vega, referência do cinema chileno e criadora da Oficina de Cinema para Crianças desenvolvida durante trinta anos na periferia de Santiago de Chile, registrada magicamente no famoso documentário Cem crianças esperando um trem (1988) por Ignacio Agüero Piwonka.

O premiado e combativo documentarista (com passagens pela televisão como ator de filmes e séries dirigidas por Raúl Ruiz) terá também grande parte de sua obra, inédita no Brasil, exibida na Cinemateca. Em paralelo, no corredor de acesso ao Auditório, o evento contará com a exposição de fotografias do renomado gravurista Eduardo Vilches.

Programação

Terça feira 03/11

17h00 – Mesa de Abertura do VIII Encontro Internacional de Cinema e Educação, com a participação do Reitor da UFRJ Prof. Roberto Leher, do Pró-reitor de Graduação da UFF Prof. Roberto Crespo, do Curador da Cinemateca do MAM Ricardo Cota, e do Embaixador do Chile no Brasil Sr. Jaime Gazmuri Mujica.

17h30 – Apresentação da Mostra de Fotografias Eduardo Vilches por Inês Teixeira

18h – Ignacio Agüero I – Cem crianças esperando um trem (Cien niños esperando un tren) de Ignacio Agüero. Chile, 1988. Legendas em português. 55’. Sessão seguida de debate com o realizador e Alicia Vega, mediado pela Profa. Adriana Fresquet.Classificação indicativa – Livre. Lançamento de livros

Quarta feira 04/11

9h50 – Oficina de Documentário, ministrada por Ignacio Agüero, com a colaboração de Eliany Salvatierra e Fabián Núñez

15h – Oficina para professores, ministrada por Alicia Vega, com mediação de Adriana Fresquet

Quinta feira 05/11

9h50 – Oficina de Documentário, ministrada por Ignacio Agüero, com a colaboração de Eliany Salvatierra e Maurício de Bragança

15h – Mesa Redonda “Cinema e Educação”, com a participação de Elizabeth Bullara (CINEDUC); Luciana Bessa (Prefeitura do Rio de Janeiro) e Frederico Cardoso (Congresso Brasileiro de Cinema) e mediação de Eliany Salvatierra (UFF)

Sexta feira 06/11

15h – Apresentação dos trabalhos finais das oficinas ministradas por Ignacio Agüero mediada por Maurício de Bragança

Sábado 07/11

14h – Ignacio Agüero VI – Não esquecer (No olvidar) de Ignacio Agüero. Chile, 1982. Com . Legendas em português. 30’. A mãe de minha avó contou à minha avó (La mamá de mi abuela le contó a mi abuela) de Ignacio Agüero. Chile, 2004. Legendas em português. 70’.Classificação indicativa – 14 anos.

16h – Ignacio Agüero VII – O outro dia (El otro dia) de Ignacio Agüero. Chile, 2013. Legendas em português. 120’.Classificação indicativa – 10 anos.

28 de outubro: participe

Dia Internacional da Animação será celebrado nesta quarta, dia 28 de outubro. No Brasil, o evento é realizado pela Associação Brasileira de Cinema de Animação – ABCA. Em 2015 a data chega à sua 12ª edição, conquistando, a cada ano, maior visibilidade e parceiros em diversos municípios brasileiros. A  mostra oficial vai ocorrer às 19h30, simultaneamente, em todas os locais participantes, contando com a adesão de mais de 200 cidades em todos os 26 estados brasileiros e no Distrito Federal.

Acesse o site e veja a programação completa

Os objetivos são muitos: promover debates sobre o tema, divulgar as atividades dos profissionais, despertar o interesse em fazer cinema de animação, revelar talentos e formar novas plateias. “Uma das grandes forças do Dia Internacional da Animação é a exibição de filmes não só nos grandes centros, como em muitas cidades do interior do Brasil, fazendo parte do calendário cultural de vários municípios que não tem salas de cinema”, ressalta Fabiano Florez, produtor nacional do evento.

No Rio, haverá a exibição da Mostra Nacional e Internacional do Dia, a partir das 19h30, no Senai Maracanã, que fica na Rua São Francisco Xavier, 417 – Maracanã. A entrada é gratuita.

Programação

– Mostra Nacional
O Átomo Brincalhão – Dir.Roberto Miller Ed – Dir. Gabriel Garcia Occupation: Animator – Dir. Bruna Berford Castillo y el Armado – Dir. Pedro Harres Los Rosales – Daniel Ferreira Faroeste: Um autêntico Western – Dir. Wesley Rodrigues.

– Mostra Internacional Laznia – Dir. Tomek Ducki Choir Tour – Dir. Edmunds Jansons Glad – Dir. Petra Zlonoga The Pigger Picture – Dir. Daisy Jacobs Choreography for Copy Machine – Dir. Chel White Wind – Dir. Robert Lobel Symphonie N.42 – Dir. Reka Bucsi Padre – Dir. Santiago Bou Grasso

 

Inovação pedagógica

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Unesco – Rei Hamad Bin Isa Al-Khalifa pelo uso de TIC na Educação
Neste ano, o pleito tem como tema “Inovação Pedagógica no Uso de TIC no Ensino e Aprendizado”. Lançado em 2005 e financiado pelo Reino do Bahrein, o projeto reconhece pessoas, instituições e organizações não governamentais que demonstrem melhores práticas e uso criativo de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) para melhorar o aprendizado, o ensino e o desempenho educacional como um todo.

O prazo para a submissão de todos os documentos de inscrição vai até 10 de novembro de 2015.

Clique aqui e leia o regulamento (em inglês)

Enquanto reconhece a importância de inovações no ensino apoiadas ou permitidas por meio de TIC, o prêmio visa destacar também experiências/inovações que garantam a segurança das crianças e promovam os valores e atitudes relevantes para a construção de sociedades sustentáveis e pacíficas.

Em um esforço para assegurar o aprendizado, as TIC estão cada vez mais sendo usadas para personalizar o aprendizado, diferenciar instruções, enriquecer o aprendizado com contextos de fora das salas de aula, compartilhar recursos, colaborar, racionalizar a avaliação e promover uma mudança nas salas de aula. O impacto dessas inovações ainda precisa ser avaliado, reconhecido e ampliado.

Dois vencedores do prêmio serão designados pela diretora-geral da Unesco com base nas recomendações de um júri internacional. Cada ganhador receberá um diploma e um prêmio em dinheiro (US$ 25.000,00). Os vencedores do Prêmio de 2015 serão anunciados e premiados durante uma cerimônia na seda da Unesco, em Paris, no início de 2016.

Por que homenagear os professores?

Por Artur Melo, 12 anos
Estudante do 7º ano do Ensino Fundamental, da Escola Sá Pereira

Por que homenagear os professores?

Para mim é…
Porque eles que influenciam o nosso futuro, o nosso presente e até o nosso passado.
Porque eles são os “donos” da nossa segunda casa.
Porque são eles que guiam uma parte das nossas longas jornadas.
Porque são eles que criam partes dos nossos mundos e sonhos.
Porque eles que gastam horas e mais horas preparando as aulas tentando dar o melhor de si, tentando ter as melhores ideias que alguém já teve só para nos fazer entender. Esse trabalho quase ninguém pode ver, a gente só imagina. E quando não entendemos, eles conseguem ainda se superar e nos fazer compreender.
Porque eles nos protegem.
Porque eles nos aguentam firmes.
Porque eles nos fazem gostar de algumas coisas que nunca imaginaríamos poder gostar na vida.
Porque são eles que nos fazem superar algumas das nossas maiores dificuldades.
Porque eles nos ajudam a pensar e nos encorajam.
Porque às vezes no silêncio da noite eles ainda estão pensando em nós.

Conheça a pesquisa

O que faz os olhos dos professores brasileiros brilharem? Quais são os temas que mais os preocupam? Eles se sentem ouvidos pelos tomadores de decisão? Estas e outras perguntas foram respondidas por professores de ensino fundamental da rede pública em todo o país para a pesquisa Conselho de Classe – A visão dos professores sobre a educação no Brasil. Encomendado ao Ibope Inteligência pela Fundação Lemann e com o apoio do Instituto Paulo Montenegro, o objetivo do levantamento é criar um espaço para dar voz aos professores, tão importantes agentes de mudança na educação.

Acesse e confira os resultados

O professor no século XXI

O que é ser professor no século XXI? Como ser professor no século XXI? O que os professores esperam da vida profissional? Quais são os obstáculos? O que precisa ser aprendido e (re)aprendido? O que eles querem ensinar? O que eles querem entender? Em homenagem ao Dia do Professor, a revistapontocom exibe, abaixo, para seus leitores, o vídeo NAVE todos professores, uma dinâmica bem divertida criada e produzida pelos professores do Colégio  Estadual José Leite Lopes, o Núcleo Avançado em Educação (NAVE), em 2010. O NAVE é uma escola modelo da Secretaria de Estado de Educação do Rio em parceria com a OI Futuro. O planetapontocom participa do projeto como gestor do curso de Roteiro para Novas Mídias e do Departamento de midiaeducação da escola.

Acesse também
Faça o teste: professor, como anda o seu nível de estresse?
Leia o artigo: Ser professor(a)!

Ah, gostou da ideia dos professores?!
Faça em sua escola também.
Reúna os professores e mande para nós.

Boa homenagem

Para celebrar o Dia do Professor, a Unesco recebeu – até o dia 12 de outubro – textos e vídeos que respondiam à seguinte pergunta: o que faz do meu professor um herói? O autor do texto/vídeo vencedor e o respectivo professor homenageado ganharão um tablet cada. Outros cinco textos e cinco vídeos receberão menção honrosa.  Os vencedores serão anunciados, hoje, dia 15 de outubro. O concurso faz parte da estratégia da Unesco de valorizar os professores no mundo.

Acesse e veja as postagens 

Desenhos que valem ouro

Por Jaqueline Sordi
Zero Hora

As araras e paredes de uma famosa loja de roupas de Porto Alegre vão exibir 30 desenhos produzidos por um menino de sete anos. A inusitada exposição quer arrecadar fundos para melhorar a biblioteca do local onde sua mãe trabalha. O Dia da Criança do Bem, que será realizado a partir das 15h do dia 10, na loja A Mulher do Padre (Rua Padre Chagas, 300), tem como protagonista Theodoro Saueressig Hackner, o Theo. Filho da assessora de imprensa Debora Saueressig, 38 anos, ele acostumou-se a passar algumas horas por semana no trabalho da mãe, um instituto de psicanálise — ela o leva junto quando precisa participar de alguma reunião. O guri acabou se afeiçoando ao lugar. Virou amigo do auxiliar de biblioteca, Francis Gomes, 34 anos, e seguidamente o ajuda com a máquina de xerox.

— Ele é um menino incrível, que sempre tem atitudes muito humanas. Trata todos como grandes amigos e faz questão de ter uma relação próxima — diz Francis.

Nos últimos meses, Theo começou a achar que as prateleiras da biblioteca estavam velhas e muito cheias. Ficou preocupado: seria possível preenchê-las com mais livros? Também sentiu a necessidade de colocar um novo mapa na parede, criando um ambiente mais amigável para quem quer ler e estudar. Na última terça-feira, decidiu pôr as mãos à obra.

— Como é um lugar onde eu gosto de desenhar, achei que poderia usar desenhos para ajudar a biblioteca. Então, criei esse projeto beneficente. Como garantia a quem comprar, fiz um contrato de “compra e venda”, assinado até pelo Francis, informando que todo o lucro será revertido para lá. E logo comecei a produzir as obras — conta Theo, que, desde então, gasta entre folhas e canetinhas o tempo livre.

A mãe achou graça, mas no mesmo dia viu que o assunto era sério. Os dois foram à Mulher do Padre para escolher o presente de aniversário do pai de Theo, o professor de história Thiago Hackner. Com os desenhos embaixo do braço, Theo contou à dona da loja, a empresária Joana Henrich, sobre seu projeto. Ofereceu um de seus desenhos, por R$ 1. Joana comprou e o mostrou aos demais funcionários. Em poucos minutos, Theo já tinha R$ 6. Só o estagiário não comprou.

— Os colegas brincaram que estagiário não tem dinheiro para comprar obra de arte. Comovido com a situação, Theo foi até sua mãe e disse que daria um desenho de graça a ele: “Seria injusto todos terem um, menos o estagiário”. Mas quem acabou comovida fui eu, e, por isso, decidi contar essa história no Facebook — relata Joana.

A mistura de empreendedorismo e sensibilidade do menino geraram centenas de curtidas, compartilhamentos e comentários.

— Comecei a receber pedidos de filiais da loja em outras cidades e até em outros Estados para enviar os desenhos do Theo e ajudar no projeto — revela Joana.

Para organizar a venda — e já no clima de Dia das Crianças —, Joana, Debora e Theo resolveram montar um vernissage. A partir das 15h do dia 10, o menino estará a postos na loja do Moinhos de Vento para falar sobre cada um de seus desenhos e explicar o contrato de compra e venda. Até lá, vai criando novos. O que não parece ser esforço:

— Eu gosto tanto de desenhar porque é uma forma de colocar para fora todas as minhas ideias, todas as minhas imaginações. Desenho desde os dois anos. Quando era menor, desenhava nas paredes e até no meu corpo. Gosto de desenhar monstros, batalhas e tudo o que se passa na minha cabeça. Espero que as pessoas gostem.

Brincadeira é coisa séria

A Rede Marista de Solidariedade (RMS) e a Rede de Colégios do Grupo Marista vão realizar, durante todo o mês de outubro, a campanha #DesafioDoBrincar, que tem como objetivo espalhar pela internet uma reflexão sobre o tempo e a qualidade dedicada para as brincadeiras, bem como a presença significativa junto às crianças. Para realizar a ação, durante todo o mês de outubro as 26 unidades da RMS e os 18 colégios da Rede Marista de Colégios farão fotos com crianças e adultos brincando juntos para publicação na fanpage da Rede Marista de Solidariedade (facebook.com/solmarista) e dos respectivos colégios, comunicando aos seguidores que eles toparam participar do #DesafioDoBrincar.

Acesse 

Com isso, a campanha pretende estimular os seguidores a participarem do desafio, convidando outras pessoas a publicarem fotos de brincadeiras entre adultos e crianças em suas páginas no Facebook com a hashtag #DesafioDoBrincar.

“Além de expor o Direito ao Brincar, queremos provocar uma reflexão sobre o tempo que dedicamos para brincar com nossos filhos, já que isso está diretamente relacionado à formação deles como seres humanos. Esse é foco central da ação. É uma mobilização em defesa de uma causa que está diretamente relacionada a nossa missão como Grupo Marista”, reforça o diretor da Rede Marista de Colégios, Gerson Luis Carassai.

A campanha é mais uma das iniciativas do Programa Direito ao Brincar, já desenvolvido pela RMS. A ação une toda as áreas do Grupo Marista (Educação, Comunicação, Saúde e Solidariedade) na defesa da garantia do direito ao brincar. Mais informações sobre o #DesafioDoBrincar estão disponíveis em brincar.org.br.

Sobre a Rede Marista de Solidariedade

A Rede Marista de Solidariedade abrange programas, projetos e ações de promoção e defesa dos direitos das crianças e dos jovens desenvolvidos em todas as áreas de atuação do Grupo Marista. A Instituição Marista tem status consultivo na Comissão de Direitos Humanos da ONU, por meio da Fundação Marista de Solidariedade Internacional. A rede desenvolve iniciativas para a efetivação dos direitos da criança, como o Centro Marista de Defesa da Infância. Representantes da Rede Marista de Solidariedade participam de conselhos, fóruns e redes nas áreas de educação, direitos da criança e do jovem, assistência social e saúde nos níveis municipais, estaduais e nacional. A rede também atende diretamente cerca de 16 mil crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social, de maneira contínua, em 26 unidades sociais e nos programas de bolsas de estudo para a Educação Básica, Profissional e Ensino Superior.

Ao alcance de todos

Agora, você pode ter acesso diretamente às informações sobre a classificação indicativa de qualquer obra (programa dos programas de TV, cinema, jogos eletrônicos e aplicativos, jogos de RPG e demais vídeos) produzida no Brasil e avaliada pelo Ministério da Justiça. A classificação indicativa é um serviço sobre o conteúdo das obras com a recomendação da faixa etária, que ajuda os pais ou responsáveis a decidirem o que seus filhos podem assistir.

Segundo a Secretaria Nacional de Justiça, responsável pela análise, basta que o cidadão envie um pedido para o endereço de e-mailclassificacaoindicativa@mj.gov.br ou no portal do próprio órgão http://www.justica.gov.br/endereco/ouvidoria

As diretrizes, métodos e critérios da política pública da classificação indicativa foram estabelecidos entre os anos de 2004 e 2007. Ao analisar as obras, a secretaria preconiza os direitos constitucionais de liberdade de expressão, direito de crianças e adolescentes ao desenvolvimento saudável e o direito dos pais de receberem informação acerca das faixas etárias para as quais determinadas diversões públicas e programações não são recomendadas.

Mãos à obra

A Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) prorrogou, até o dia 30 de outubro de 2015, o prazo para inscrições na 11ª Edição do Concurso de Roteiros Rucker Vieira, promovido pela Massangana Multimídia Produções/ Diretoria de Memória, Educação, Cultura e Arte.

O prêmio é uma iniciativa integrante do Programa Gestão e Manutenção do Ministério da Educação, com desdobramento na ação Promoção e Intercâmbio de Eventos Educacionais e Culturais. Serão selecionados dois projetos de documentários, com premiação bruta de 80 mil (cada), visando gerar produtos audiovisuais destinados à utilização como ferramenta em processos educacionais alinhados às diretrizes do Ministério da Educação e com vistas a estimular a produção independente de audiovisual do Brasil.

O edital e anexos estão disponíveis no blog

Os dois roteiros premiados deverão ter duração de 26 minutos, enfocando o tema Cinema e Educação – Olhares e saberes sobre a realidade, em consonância com a necessidade de implementação da Lei 13.006/14, que prevê a exibição de filmes de produção nacional como componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola, sendo a sua exibição obrigatória por, no mínimo, 2 (duas) horas mensais. Como órgão vinculado ao Ministério da Educação, a Fundação Joaquim Nabuco vem contribuir para a elaboração e a execução de ações que ajudem no cumprimento da lei do Cinema Nacional nas Escolas, como forma de potencializar, efetivamente, as suas ações de trabalho, através de abordagens que dialogam com a pluralidade de expressões.

Além da premiação em moeda brasileira corrente, os dois roteiros vencedores desta 11ª edição do Concurso terão a garantia da exibição nacional, através da parceria da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)/MEC com a TV Brasil e distribuição em escolas e universidades, através de parcerias com Secretarias de Educação e Cultura e espaços de exibição públicos.

Há mais de uma década, o Concurso de Roteiros Rucker Vieira vem conquistando espaço entre os editais nacionais em audiovisual, sendo o único com a difusão voltada para a Educação, recebendo inscrições de todas as Regiões do País, oportunizando a formação de público e gerando novas possibilidades de informação, através da produção e fruição de documentários.

Oficinas de graça

A Fundação Nacional de Artes – Funarte, em parceria com secretarias e fundações municipais e estaduais de cultura, universidades e o Serviço Social do Comércio (SESC) realiza, em outubro e novembro, o Cena em construção – Programa Funarte de capacitação técnica em Artes Cênicas – 2015. A ação levará oficinas a dez estados das cinco regiões brasileiras. As inscrições são gratuitas. Podem participar estudantes e profissionais da área.

Acesse a ficha de inscrição

O novo programa na área de formação da Funarte vem renovar o compromisso da Fundação com o resgate, a reciclagem e a difusão dos conhecimentos relacionados à composição da cena, nas áreas de iluminação; montagem cênica; caracterização; som; e novas mídias. Os primeiros municípios a receber as oficinas, no período de 19 a 30 de outubro, serão Vitória e Vila Velha, no Espírito Santo, e Rio de Janeiro.

O programa e seus objetivos

O Cena em construção foi idealizado pelo Centro de Artes Cênicas da Funarte. Realizada pelo Setor de Formação, Pesquisa e Memória do Ceacen, a ação consiste em circuitos de quatro oficinas, ministradas em cada cidade visitada, por profissionais com reconhecida atuação em suas áreas. Serão 40 módulos, com um total de 20 horas/aula, oferecidas gratuitamente. A expectativa da Funarte é atingir cerca de 800 alunos nas 10 cidades visitadas. Seu objetivo principal é proporcionar aos participantes aprimoramento e refinamento das percepções sobre os ofícios ligados à concretização do espetáculo. Através das atividades, a Funarte pretende também contribuir com o processo produtivo da cena; fortalecê-lo e valorizá-lo; e criar oportunidades de reconhecimento e desenvolvimento profissional dos alunos, além de facilitar a inserção destes no mercado de trabalho.

Através do Cena em construção, a Funarte retoma sua vocação histórica na área da cenotécnica – que remonta ao surgimento do seu Centro Técnico de Artes Cênicas (CTAC). Além de provocar a mobilização para o debate e a reflexão sobre esse campo de formação, o programa é o primeiro passo para o início da reestruturação do CTAC, com vistas ao seu fortalecimento como espaço de formação e capacitação técnica.

Os eixos temáticos

O Cena em construção – Programa Funarte de capacitação técnica em Artes Cênicas – 2015 é dividido em quatro eixos temáticos, a saber:

1. Montagem cênica – inclui: Cenografia; Oficina de segurança em montagem de palco; Cenotécnica e contrarregragem; Direção de palco; e Montagem cênica.

2. Som e novas mídias – inclui: Montagem e operação de som; Composição de trilha sonora para espetáculo cênico; Criação de vídeo para espetáculo cênico; e Montagem e operação de vídeo para espetáculo cênico.

3. Iluminação – inclui: Montagem e operação de luz; Criação de luz 1 e 2; e Outras estratégias de iluminação para cena.

4. Caracterização – inclui: Criação de figurino 1 e 2; Maquiagem; e Criação de adereços

Locais e datas dos circuitos de oficinas

Região Sudeste
Rio de Janeiro (RJ) – 19 a 30 de outubro
Vitória e Vila Velha (ES) – 19 a 30 de outubro

Região Sul
Curitiba (PR) – 26 a 30 de outubro
Porto Alegre (RS) – 23 de novembro a 4 de dezembro

Região Norte
Rio Branco (AC) – 3 a 7 de novembro/ 23 a 28 de novembro
Manaus (AM) – 16 a 27 de novembro

Região Nordeste
João Pessoa (PB) – 3 à 13 de novembro
Crato (CE) – 9 a 13 de novembro

Região Centro-Oeste
Cuiabá (MT) – 17 a 28 de novembro
Dourados (MS) – 16 a 20 / 23 a 27 de novembro