A importância das TICs na educação

“Eles  [crianças e jovens] ‘vivem’ tecnologias e quem não vive sonha em viver. É o mundo deles. Isto é fato. Como ignorar este potencial? Como permanecer no cuspe e giz?”, Marise Brandão.

marise

Por Marcus Tavares

Marise Brandão é Orientadora Tecnológica Educacional do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Até pouco tempo era professora de Atividades Integradas – Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia, Ciências e Artes – na Escola Estadual Dr. Álvaro Rocha, localizada no município de Barra do Piraí, no Estado do Rio de Janeiro. Quem a conhece pela primeira vez rende-se logo à sua simpatia. Mas, em seguida, impressiona-se com o seu trabalho de dedicação ao ensino e ao uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) na sala de aula.

Não é à toa que Marise, hoje, também atua como Orientadora Tecnológica do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Capacidade reconhecida internacionalmente desde 2008, quando ela ganhou o título de Embaixadora da Microsoft e o prêmio Microsoft Educadores Inovadores – categoria Educador Inovador.

Leitora assídua da revistapontocom, Marise conversou com a equipe sobre o projeto, ações e sonhos.

Acompanhe:

revistapontocom – O que é ser um educador nos dias de hoje?
Marise Brandão
 – Hoje, ser educador exige muito mais do que ter somente conhecimento sobre sua área específica. É preciso ser um estimulador do prazer em construir o conhecimento. O educador tem que ensinar seus alunos a pensarem, a descobrirem, a desenvolverem suas competências e habilidades. O professor do século XXI é um estimulador, motivador no desenvolvimento de habilidades e  potencializador de competências nos alunos. Mas para isto, ele tem que quebrar os velhos paradigmas da escola tradicional, deixando de ser somente um transmissor de informações.

revistapontocom – Neste sentido, qual é o papel das tecnologias da comunicação no processo de ensino e aprendizagem das atuais gerações?
Marise Brandão
– Elas devem ser um dos instrumentos para a construção do conhecimento. No mundo de hoje, as tecnologias são indispensáveis na educação das crianças e dos adolescentes. Eles ‘vivem’ tecnologias e quem não vive sonha em viver. É o mundo deles. Isto é fato. Como ignorar este potencial? Como permanecer no cuspe e giz? Todo professor deveria assistir a este vídeo antes de se negar a usar as TICs com seus alunos.



revistapontocom – Há dois anos, você recebeu o prêmio Microsoft Educadores Inovadores, na categoria Educador Inovador. A premiação foi fruto do projeto o Vôo BPF Brasil, Portugal e França. Que projeto foi esse?
Marise Brandão
 – Utilizando como temática o centenário de Santos Dumont, o projeto teve o objetivo de criar uma comunidade de aprendizagem em rede, estabelecendo um intercâmbio com escolas do Brasil, Portugal e França. O projeto foi desenvolvido por quatro escolas, duas no Brasil, uma em Portugal e uma na França. Criamos uma aprendizagem em rede, onde os alunos se tornaram os autores, construindo o conhecimento de uma forma muito participativa e colaborativa. Partimos da leitura do livro de Claudio Fragata, Seis Tombos e um Pulinho, que fala sobre Santos Dumont. As atividades envolveram 115 alunos de seis turmas do Ensino Fundamental dos três países.

revistapontocom – O projeto foi inovador ao aliar as TICs e outras escolas de outros países?
Marise Brandão
– Acredito que o projeto foi bastante inovador porque ele foi ousado. Não foi um projeto de consumo de informações, mas de produção de conhecimento por meio da autoria do aluno. O projeto inovou por ultrapassar os muros da escola, tornando a aprendizagem mais flexível no tempo e no espaço e unindo dois continentes. O planejamento do trabalho começou com uma reunião inicial com os alunos, explicando a importância de eles estarem inseridos no projeto. Após uma pesquisa na internet para recolher material sobre Santos Dumont, foi criado o blog Vôo BPF com a finalidade de publicar os trabalhos, as imagens e a opinião dos envolvidos. Todas as atividades de realização dos trabalhos publicados no blog utilizaram tecnologia digital e informática que permitiram desenvolver nos alunos competências que levam à infoinclusão e literacia digital. Ao final das atividades, houve a realização de uma videoconferência envolvendo representantes do Brasil, Portugal e da França. O MSN Messenger foi o principal veículo de comunicação e troca de informações entre os professores.

revistapontocom – E quais foram os resultados?
Marise Brandão
– Bem, durante o desenvolvimento do projeto, fui chamada de muitas coisas, todos achavam que eu estava delirando, sonhando e que eu tinha perdido o rumo. Chamava meus colegas para participarem e eles me olhavam de modo estranho. Eu falava em videoconferência com Portugal, França. Falava em blog colaborativo, em webquests. Falava em crianças de uma escola estadual que nunca haviam tocado em computadores, crianças que estavam rotuladas, recuperando os conteúdos, e, agora, tendo prazer em estudar. Falava em apoio das famílias, enquanto sempre falavam na falta de apoio das famílias. Os resultados foram os melhores possíveis. Houve uma grande mudança de comportamento por parte dos alunos, aumentando o interesse pelos estudos, o desenvolvimento de competências e habilidades, elevando a auto-estima de todos os envolvidos. Acho que a maior conquista deste trabalho foi a verdadeira inclusão digital, que mudou a história de vida de vários alunos.

revistapontocom – E de lá para cá?
Marise Brandão
 – O trabalho com as TICs na sala de aula continua até hoje. A diferença é que a Microsoft me apóia atualmente. Ano passado, a Microsoft e a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro me levaram a Washington para participar de um congresso, onde tive a alegria de ver o projeto valorizado e conhecer outros maravilhosos. Hoje, faço parte dos Educadores Inovadores em Rede da Microsoft. Estamos sempre juntos, seja presencialmente ou online, trocando experiências e fazendo reflexões. A Microsoft conseguiu unir todos os Educadores Inovadores do Brasil com os Professores Nota Dez de 2009, imagina no que isto vai dar. Principalmente em nosso estado, onde a Secretária de Educação e sua equipe acredita e apóia o uso das TICs para a evolução e revolução na educação.  Ainda estou à frente do portal www.webeducacional.com, onde professores e estudantes de vários estados do Brasil e de Portugal criam suas webquests, baixam softs, pesquisam e recebem informações e orientações. No ano passado, desenvolvi o projeto Reciclar é um Barato. O projeto promoveu o intercâmbio de profissionais do Brasil, Guatemala e EUA (http://reciclareumbarato.blogspot.com/).