(21) 2220-3300
New here? Register. ×

Território mental: a chave do ser humano

14 comentários
07fev

Por Marcus Tavares

Conheci pessoalmente o professor Evandro Vieira Ouriques, há cinco anos, na sede do Programa Avançado de Cultura Contemporânea (Pacc), do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ. Estava interessado em conhecer as bases teóricas e as opiniões do professor que estava à frente da recém criada disciplina “Construção de estados mentais não-violentos na mídia”, oferecida pelo Núcleo de Estudos Transdisciplinares de Comunicação e Consciência-NETCCON, da Escola de Comunicação-UFRJ, sob sua coordenação desde 1984.

Para ele, os estados mentais dos indivíduos – o fluxo de pensamentos, afetos e percepções – estão atravessados cada vez mais pelo discurso da mídia. Portanto, repetir inconscientemente os valores dominantes da e na mídia em nada contribui para o bem-estar da sociedade. O ser humano, destacou o professor, precisa, mudar de atitude.  De lá para cá, Evandro intensificou e divulgou seus estudos. Criou, inclusive, um novo campo de conhecimento, intitulado “Economia psicopolítica da comunicação e da cultura”, cuja metodologia operacional é o que ele chama de Gestão da Mente, centrada no conceito de território mental (criado em 2009), lugar onde ocorrem os estados mentais.

Em entrevista à revistapontocom, o professor explica detalhadamente o que é território mental e como a sociedade deveria repensar suas práticas e ações. Evandro avisa: “o território mental é a chave do ser humano, pois somos ‘apenas’ o que pensamos. Portanto, o controle do fluxo dos estados mentais é vital para a democracia, para a felicidade, para a vida em paz. Basta lembrar que os padrões de comportamento, como os padrões de produção e consumo, são determinados apenas pela vontade de cada pessoa em rede”.

Neste ano, além de continuar na coordenação do Netccon, o professor, que recebeu no ano passado o Prêmio de Melhor Acadêmico do Mundo, o Best Scholar 2010, do Reputation Institute, de Nova Iorque, e o título de Zulu, da Universal Zulu Nation, que criou no início da decado dos 70 a Cultura Hip Hop, vai começar a supervisionar pesquisas de Pós-doutorado em Estudos Culturais no PACC e ministrar aulas sobre Psicopolítica e Gestão da Mente no Doutorado em Comunicação em Contextos interculturais, da Universidad de La Frontera, no Chile.

Acompanhe a entrevista:

revistapontocom – Como podemos definir o que é território mental?
Evandro Vieira Ouriques – O território mental é a chave da ação no mundo, pois somos ‘apenas’ o que pensamos e afetamos. O que nos afeta e percebemos. É onde ocorre o fluxo de pensamentos, afetos (sentimentos, emoções, incluído o que normalmente é chamado de “coração”) e percepções (sensações, intuição etc.), ou seja, o fluxo dos estados mentais (gratidão, generosidade, amor, ódio, vaidade, ressentimento, inveja, cobiça, bondade, alegria, colaboração etc.) que são a fonte de referência para a ação no mundo. Território mental é o que determinadas maneiras de ver o mundo chamam de mente. E o que muitos, na mentalidade do Ocidente, confundem com a ‘razão’, opondo esta ao ‘coração’. Esta confusão tem graves consequências, pois muitos advogam que o outro mundo que queremos é construído com base no ‘coração’, com as emoções, com os sentimentos. Ora, são exatamente as emoções e os sentimentos que se encontram extremamente perturbados nos dias de hoje. Daí que um especialista em mente como Sri Aurobindo, criador do Yoga Integral, afirma que a fonte de referência para a ação está ‘atrás do coração’ e ‘acima da cabeça’. Está distante do turbilhão das emoções e distante da rigidez da razão e da limitação do intelecto.

revistapontocom – Então pode-se afirmar que nós – seres humanos – somos os nossos próprios territórios mentais?
Evandro Vieira Ouriques – Sim. Somos apenas o nosso próprio território mental, o nosso entendimento do mundo, entendimento este que qualifica e assim determina cada uma de nossas escolhas, de nossas decisões. Nosso território mental é o lugar onde construímos e sustentamos a Justiça de nossas ações. É assim que ele é criado historicamente. Ele é fruto da história das mentalidades, das maneiras de pensar e agir no mundo, disseminadas, propagadas e multiplicadas pelas estruturas de poder, pelos sistemas de poder, mesmo que estes sistemas sejam, por exemplo, as redes nas quais vivemos hoje. Quanto mais o território mental é criado pela própria pessoa, mais esta pessoa é de fato livre. Se observarmos com sinceridade e acuidade, veremos que a maior parte de nós mesmos não é livre. Quantas vezes fazemos o contrário do que dizemos? Quantas vezes nos flagramos fazendo o que não gostamos? A maior parte das pessoas é pensada e sentida por outras. Elas foram treinadas pelas instituições da sociedade, em especial pela educação e pela mídia, a pensarem, sentirem e perceberem segundo uma determinada perspectiva, ao ponto de matarem e morrerem por esta perspectiva, que é sempre epistêmica, vale dizer, que está afinada com uma maneira de validar o pensamento. O que é trágico é que as pessoas acham que a perspectiva em que acreditam é fruto de uma criação própria. Elas acreditam que tal perspectiva é a verdade absoluta.

revistapontocom – Então o nosso território mental foi sendo ‘alimentado’ desde as primeiras gerações até os dias de hoje?
Evandro Vieira Ouriques – Sim, com certeza. Por isto é decisivo a pessoa compreender de onde vêm as ideias que ela defende como ‘verdades absolutas’. É uma tragédia imensa repetir ideias sem questioná-las. Por exemplo: “a vida é cruel”, “o ser humano não presta”, “mulher não dá pra entender”, “homem é assim mesmo”, “o ser humano sempre foi violento”. Se refletirmos criticamente a respeito destas supostas “verdades”, veremos que não é bem assim. Quer um exemplo? Se analisarmos criticamente e com base numa boa pesquisa a frase o “ser humano sempre foi violento”, veremos que ela não faz sentido. A civilização cretense, imediatamente anterior à grega, portanto bem recente, não era bélica, as cidades não eram muradas, não produziam armas e a sexualidade não era reprimida como um pecado, como ocorre na presente civilização de base judaico-cristã, na qual se repete que teríamos nascido de um pecado original.

revistapontocom – Mas por que isso acontece? Dada a nossa extensa historiografia, o nosso território mental não deveria ser, hoje, mais qualificado e inteligente?
Evandro Vieira Ouriques – Quando os estados mentais da solidariedade, da generosidade, da fraternidade, por exemplo, são desqualificados, o território mental se torna reduzido. Prova disso são os programas de reality show, nos quais apenas se reproduzem os estados mentais sem analisá-los criticamente. A atitude – tanto dos participantes quanto do público – são como folhas soltas ao vento, levada pelos pensamentos, afetos e percepções que os atravessam. Quando a complexidade da vida é reduzida aos rendimentos, ao que se supõe ser “lucro”, a um único padrão de ‘riqueza’ que implica necessariamente na ‘pobreza’ da maioria, a uma vida que se passa na esperança de poder consumir mais e mais, quando sabemos que jamais as pessoas poderão consumir o que lhes é apresentado como “felicidade”, estamos reduzindo, na prática, o território mental. É o que vem acontecendo com a humanidade e atinge neste momento um intenso padrão. Por exemplo, o Brasil em que opta pelo desenvolvimentismo e deixa em segundo plano a sustentabilidade. O domínio do próprio território mental permite escapar deste determinismo histórico que negocia futuros que aprofundam a desconexão das pessoas com o presente, capturando-as em uma vida de desejo que exaure a existência até o cerne, que reduz a vida, e assim a mídia.

revistapontocom – O ser humano, em um dado momento, descobriu, portanto, que poderia intervir no território mental do outro.
Evandro Vieira Ouriques – Sim, o problema é sistêmico. Como bem mostraram os estudos dos pesquisadores Maturana e Varela. O amor é a base do biológico e do social. Quando a humanidade desistiu do amor em prol da violência, do ódio, da competição, da vaidade perpétua, como dizem tão bem os tibetanos, a doença estava instalada. Basta ver qualquer bom filme sobre as monarquias européias, por exemplo, ou sobre a classe dominante. São apenas tristes histórias produzidas por territórios mentais dominados pelo estado mental da vaidade e seus conexos, como inveja, competição, intriga, traição, apego etc. Esta é uma tarefa complexa, mas não diria complicada, pois o conceito ‘complicado’ fala da incapacidade de um determinado pensamento dar conta do que ele mesmo, o pensamento, criou.

revistapontocom – A mídia então pode exerce um grande poder sobre os territórios mentais dos indivíduos, não?
Evandro Vieira Ouriques – Com certeza, lamentavelmente estamos cheios de exemplos disto. Ainda bem que dispomos da cultura digital, que não é uma garantia, mas uma ampla possibilidade, pois ela também depende daqueles que a vivenciam sejam livres. Como se vive hoje num mundo mais e mais midiatizado, e assim acelerado e tecnologizado, cada vez mais as pessoas são pensadas, sentidas e percebidas por outros, por exemplo pelo conceito de disputa política, pelo estado mental da inveja e da vingança, como falei anteriormente, enquanto se imaginam “livres”. É, sim, de fato, uma tragédia. E ao mesmo tempo uma imensa possibilidade de liberdade. Por isto, criei a metodologia Gestão da Mente, que utilizo em meu trabalho acadêmico, em minhas consultorias e em meu consultório, no qual atendo pessoas e casais interessados em re-descreverem suas vidas, vale dizer em escapar do sofrimento. É sintomático que os movimentos sociais empenhados na democratização da comunicação, na desconcentração da propriedade horizontal e vertical dos meios de comunicação, na constituição de um novo marco regulatório da comunicação do Brasil, tendo em vista o descalabro desta concentração, ainda não tenham se dado conta de que tal concentração história está presente em seus próprios territórios mentais. É muito mais frequente e comum do que gostaríamos o fato de que indivíduos, grupos, redes, movimentos e organizações apresentem atitudes antidemocráticas na maneira como conversam internamente, articulam suas ações intersetoriais e procuram mobilizar os segmentos sociais com os quais trabalham em favor da cidadania, da democracia, das políticas públicas sociais, das intervenções em comunidades e da responsabilidade socioambiental. Quando verificamos ao longo da História, e do presente, a extensão dos prejuízos causados por essas atitudes mentais para os movimentos de transformação social, podemos afirmar que se trata de uma alarmante pandemia no território mental, que pode ser superada apenas pela re-ligação dos saberes sobre a sociedade com aqueles sobre a economia psíquica dos indivíduos.

revistapontocom – Nesta história, há algum ‘culpado’?
Evandro Vieira Ouriques – Este aspecto é decisivo. Quem é o culpado? O fato de se fazer esta pergunta já mostra o vazamento do paradigma judaico-cristão que está na base da maior parte dos territórios mentais, paradigma construído sobre o fundamento da culpa e do pecado. Não há culpa. Há responsabilidade. Por isto tantos temem reconhecer falhas, pois as entendem como pecados. Daí ser sistêmica a irresponsabilidade pessoal e social e a exteriorização da responsabilidade na direção da outra pessoa, do governo, da classe dominante, da empresa, do vizinho, da mulher, do patrão, do empregado, dos pobres etc. É este outro que passa a ser “o” culpado. Basta ver como a mídia produz a cada dia um ‘judas’ para ser malhado por todos. Na atual Europa, os ‘culpados’ seriam os “gastos públicos”, como foi aqui no Brasil na década dos 90. Quando em verdade o que está ocorrendo é simplesmente o resultado da cobiça e da indiferença, por meio da vaidade. Para que possamos viver de fato nas ordens da reciprocidade e da lei, é imperativo desfazer-se desta onipotência, que faz com que se acredite que tudo que é bom é seu por direito e que o mal está sempre no outro e fora de si. Como uma vez disse Joel Birman: que tudo o que é prazeroso está dentro do sujeito. E tudo aquilo que é desprazeroso está na sua exterioridade.

revistapontocom – Professor, e a religião? A religião não teve durante anos um papel importante e definidor na construção dos territórios mentais?
Evandro Vieira Ouriques – A religião lamentavelmente foi esquecida pela Teoria Social. Traumatizada pela história terrível da Inquisição e do compromisso da Igreja com o poder, a Teoria Social a desqualificou na maior parte das vezes. Digo lamentavelmente uma vez que jogaram fora junto com a água do banho, como se diz, o próprio bebê. O que eu quero dizer? A questão não é a religião (na maior parte dos casos, claro, terrivelmente comprometida com o poder, sobretudo aquelas que querem converter o outro) mas a metáfora da religião. Ou seja, de que a religião está falando? Ela fala da possibilidade do encontro, da comunicação, do diálogo, da fusão Natureza e Cultura, do amor, da paz. Consequentemente, e este seria um assunto para outra entrevista, esta possibilidade ressurge na forma dos fundamentalismos, tantos os religiosos quanto o do consumo, com seus templos, os shopping center. É assim que sujeito acredita que pode impor os seus ideais e instituir a sua lei, não se submetendo a nada que lhe seja exterior. No meu prédio, na porta do zelador, veja o ponto em que estamos, está fixado um aviso de que a palavra do Deus está acima da palavra da Constituição. Sim, é desta maneira que o sujeito pensa estar autorizado a submeter os outros pela conversão, quando o desafio divino, se mergulhamos no estudo comparado das religiões, é o de reconhecer o outro na sua singularidade e na sua diferença e procurar o lugar do encontro, da unidade na diferença. No entanto, o fundamentalista acredita patologicamente que é o Deus encarnado na Terra, o que do ponto de vista clínico é considerado como sendo da ordem da onipotência. Neste sentido, a metáfora da religião está relacionada com a construção de um território mental mais positivamente colaborativo, mais sustentável. Tenho trabalhado intensamente com recursos de determinadas tradições espirituais, em especial as hindus, tibetanas, xamânicas e indígenas, para promover uma mudança no território mental. Por exemplo, o conceito hindu de consciência-testemunha e as práticas de pranayama, de maneira a constituir o que chamo de pensamento respiratório. Ou seja: a observação crítica e alteração deliberada do padrão respiratório que sustenta cada estado mental.

revistapontocom – O senhor fala na possibilidade de construir novas estruturas para os territórios mentais? Em mudanças. Isso não é uma grande utopia?
Evandro Vieira Ouriques – Utopia para mim é viver no ódio, é crer que a vida seja feita contra o outro, que para que eu ganhe, você teria que perder, que existiriam pessoas que mereceriam mais do outros, que crianças poderiam ficar abandonadas, que personalidades poderiam ser moldadas para atender a interesses de concentração e poder. Isto sim é uma utopia, se estamos entendendo este conceito de utopia no sentido do que não é possível de ser realizado. A insustentabilidade está aí provando que não há nada mais anti-prático e anti-materialista do que o espírito capitalista em rede, uma vez que ele destrói os corpos tanto dos que odeiam quanto dos que são odiados e mais: destrói o corpo da Natureza. Trata-se, portanto, de um suicídio coletivo, movido por uma vontade descontrolada.

revistapontocom – Enfim, para onde vamos? O senhor arrisca uma previsão?
Evandro Vieira Ouriques – Vamos para onde quisermos. O mainstream está aí, como esteve desde quando abandonamos a sabedoria de entender a Cultura como um modo da Natureza. A situação na Europa e nos EUA mostra para onde a mentalidade dominante está indo. O Brasil está sendo construído como um futuro Estados Unidos, como me referi anteriormente? É isto que queremos? Investir na história de mais um império, que talvez domine o mundo depois da Ásia? Ou queremos nos abrir para outros e de fato inovadores estados mentais e consequentes soluções sociais de fato sustentáveis? Outros padrões de produção e consumo? Outro padrão do que seja ‘riqueza’? Vamos deixar o nosso território mental repetir as mesmas decisões injustas e insustentáveis? Ou vamos tomar conta dele e libertar-se da escravidão que é a vaidade perpétua? A decisão está em minhas mãos, suas mãos. Está nas mãos de você que nos lê. Muita gente está fazendo esta mudança e investindo no novo mundo que já está aí, emergindo de dentro e para além das ruínas da mentalidade do Ocidente moderno, como disse, gerador de injustiça e insustentabilidade.

revistapontocom – Na prática, como construir um território mental mais ‘humano’? O que fazer? Como fazer?
Evandro Vieira Ouriques – O território mental é transformado por cada ser humano no exercício dos valores societais, que fundam a sociabilidade, para que o ser humano seja, como você diz, mais “humano”. Esta transformação é resultado de uma gestão permanente do fluxo de estados mentais o que implica no exercício consciente da vontade, o que demanda o controle de formação do desejo. Isto permite você direcionar sua decisão na direção do que você quer ver no mundo. Somos o que queremos ver no mundo ou pensamos, sentimos e percebemos que o mundo seja. Muitos acreditam ser impossível mudar, pois assim estaríamos perdendo o que é então chamado de “vantagens”. “Vantagens” que permitiriam “prazeres” de toda a sorte. Em minhas pesquisas, publicações, aulas, cursos, conferências e clínica terapêutica, praticamos a gestão do território mental, que eu chamo, desde 2005 ,de Gestão da Mente. O que pode ser feito de imediato é agir simultaneamente em dois eixos: (1) observar analiticamente o fluxo de pensamentos, afetos e percepções, vale dizer, ler seus próprios estados mentais como quem lê para fazer a revisão um texto jornalístico, um projeto, uma argumentação, um roteiro. Observar e analisar a narrativa sobre si mesmo, sobre a vida e sobre o mundo, o que implica observar o feed-back que lhe é oferecido pela rede de relações; (2) observar a respiração que sustenta cada estado mental. Tem sido acanhada [a teoria cultural] com respeito à moralidade e à metafísica, embaraçada quando se trata de amor, biologia, religião e a revolução, grandemente silenciosa sobre o mal, reticente a respeito da morte e do sofrimento, dogmática sobre essenciais, universais e fundamentos e superficial a respeito da verdade, objetividade e ação desinteressada. Por qualquer estimativa, essa é uma parcela da existência humana demasiado grande para ser frustrada. Além disso, esse é um momento bastante embaraçoso da história para que nos achemos com pouco ou nada a dizer sobre questões tão fundamentais. Trata-se, portanto, de um trabalho de muita determinação, foco, compaixão consigo mesmo, pois aos poucos vai se conhecendo horrores que pensavam estar fora, apenas nos “outros”. Neste sentido, trava-se, portanto, um diálogo em rede da pessoa com ela mesmo e com suas relações. Algumas reflexões: será que estão me entendendo? Estou falando acessível? Por que não estou respirando fundo e relaxado? Por que estou interessado em que tudo dê certo? O que é dar certo? Sinto raiva. Raiva? O que estou pensando agora que me faz sentir este ou aquele afeto? O que estou sentindo agora? O que estou percebendo? Que conceitos estão circulando no meu território mental? Por quê? De onde eles vieram? Eu concordo? Eu quero? Chamo o aprofundamento da observação do fluxo de estados mentais de ‘arqueologia dos conceitos’. O aprofundamento da observação da respiração, e a gestão do corpo que daí se abre, eu chamo de ‘arqueologia da presença dos conceitos nos corpos’, não só nos corpos das pessoas como de todos os corpos naturais e os criados pelas tecnologias. Como diz Terry Eagleton, “se, com muita frequência, conhecer o mundo significa atravessar complexas camadas de auto-decepção, conhecer a si mesmo envolve ainda mais disso. Somente pessoas excepcionalmente seguras podem ter a coragem de se confrontar dessa maneira, sem racionalizar o que desenterram e nem se deixar consumir pela culpa estéril. Só alguém certo de estar recebendo amor e confiança pode alcançar essa espécie de segurança. (…) valor e objetividade não são os opostos que tantos parecem pensar”. Vamos, portanto, praticar em rede o Amor, este outro nome dos valores societais, da justiça, das políticas públicas, da colaboração positiva, da sustentabilidade, da alegria, da gratidão, da generosidade, da gentileza, da celebração.

14 thoughts on “Território mental: a chave do ser humano

  1. COMO É BOM NÃO ESTAR SÓ NA LABUTA DE COMPLEMENTAR AO INDIVÍDUO OS VALORES DE TODA UMA VIDA,ALÉM DA PRÓPRIA VIDA,O QUE JÁ É BASTANTE DIFÍCIL.PARABÉNS COLEGA E PROFESSOR EVANDRO.

  2. Grato querida Helaine pela delicadeza de sua leitura e por seu retorno, que me honra, felicita e estimula! Ser entrevistado pelo Marcus é de uma alegria profunda e ampla, pela escuta que ele oferece! Com amor, e.

  3. Querida Claudia,
    grato por sua leitura! De fato o que levamos da fase de relacionamento com nossos pais é decisivo em nosso florescimento como pessoa, como Diferença inter-relacionada com a Totalidade aberta. O exercício de tomar conta do próprio Território Mental passa sempre, por isto, pelas nossas experiências naquela fase. Todo o trabalho é justamente em primeiro lugar recompor, daí a importância do tratamento terapêutico, as funções mãe e pai então ocorridas, para que seja possível ir mais adiante.
    Com amor, e.

  4. Meus amig@s,

    Ler a entrevista do Prof. Evandro Vieira Ouriques é sem dúvida uma daquelas raras oportunidades para revermos nossos mitos, medos, verdades, desejos e sonhos. Sua ‘disponibilidade universitária’ é indescritível. No final de 2011 veio à Nova Friburgo com seus alunos para visitar as consequências do ‘desastre cultural’, foi um passeio pelo Território Mental de cada um, uma experiência espiritual, criativa e critica. Cito também, a visita que fizemos ao Morro da Providência onde vivenciamos com a comunidade seus sofrimentos com a iminente remoção de dezenas de casas como parte do projeto de revitalização do porto para os eventos esportivos, por outro lado conhecemos pessoas ilustres que fazem das suas vidas um instrumento de esperança e transformação. A solidariedade, o amor, a espiritualidade, o diálogo, o respeito com a natureza são elementos centrais da nossa sobrevivência. Professor, conhecê-lo faz brotar em nós a esperança de que podemos ser diferentes do que dizem que somos.
    Evandro Rocha

  5. Maravilhosa essa entrevista,uma bela lição para todos nós!!!!
    Perguntas ótimas respostas MELHORES AINDA,
    Valeu!!!!

  6. Professor Ouriques.
    Eu assisti duas palestras suas e, de uma certa forma, imagino muito fortemente do que o senhor se refere qdo fala em territorios mentais.
    A partir da sua fala pude pensar em desterritorializaçao e reterritorializaçao.
    Em uma de suas palestras vc expos como tinha sido a sua constituicao como sujeito, como ator que (des)envolve personas, que se articulam com demandas externas de sobrevivencia harmonica e critica.
    A minha pergunta eh a seguinte: Em que medida o que o senhor viveu como sujeito ainda dependente dos seus pais se manifesta agora? Pensando em um novo territorio mental, quando o atavismo da inercia e do pessimismo se sobrepoe ao que a gente trilha? Essa questao eh transcendental em todas as suas matrizes, e por isso muito perturbadora e de dificil resposta para mim.
    “Desistir, nem tentar, agora tanto faz”
    Abs de luz
    Claudia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *