(21) 2220-3300
New here? Register. ×

O Gorila Zumbi

19 comentários
02mar

Por Artur Melo, 10 anos
A
luno do 5º ano do Ensino Fundamental, da Escola Sá Pereira

Um dia, numa noite tenebrosa, raios e trovões aterrorizavam o céu. Em um cemitério, um gorila zumbi saiu do túmulo, ele era horrível. Partes do seu corpo eram sem pele, e isso fazia aparecer os seus ossos. Tinha cicatrizes espalhadas pelo corpo todo, sem contar o sangue que saia pelo nariz, boca, olhos e orelhas.

Neste dia, ele estava escalando a parede do cemitério, já era cerca de uma da manhã, quando avistou na rua escura um pobre trabalhador, que estava cansado, pegando o rumo de casa. O gorila não achou o homem tão apetitoso, porque era tão magro, mas tão magro, que não seria tão saboroso… Seu prato preferido era uma pessoa nem tão magra, nem tão gorda, nem tão alta, nem muito baixa, ele gostava das pessoas razoáveis, sem nenhum tipo de exagero. Mas, o mais importante, o coração precisava ser grande, bem grande – não era grande de bondade, bondade era uma coisa que não interessava a ele, era grande de tamanho mesmo. Além de gostoso, o gorila se sentia mais cheio de energia cada vez que deliciava um coração fresquinho, deve ser porque o coração é um órgão que pulsa sem parar, e enquanto pulsa estamos vivos, mas se parar… É isso! Cada coração comido o gorila zumbi se sentia mais vivo.

Bem, o fato é que, depois de escalar o muro, ele foi às pressas atrás do trabalhador, mesmo magricelo, era o que tinha e, em menos de cinco segundos o coração dele, que era bem grande até, de tamanho e de bondade, já estava dentro da barriga do zumbi, que voltou a dormir tranquilamente em seu túmulo. E assim acontece em todas as noites tenebrosas como aquela.

Esse aí, queridos leitores, tem muitos corações, mas é como se não tivesse nenhum…

19 thoughts on “O Gorila Zumbi

  1. Artur, meu “neto de verdade” muito amado! Nem imagina o prazer que experimento toda vez que abro o site da revista.com! A cada dia que passa você se torna mais e mais competente nessa arte da escrita. Fico felicíssima!!
    Agora, fala sério,cara, esse gorila me deu um baita susto no início! Cheguei a achar que estava no site errado! Mas conforme ia lendo, fui identificando o toque do escritor e fiquei mais tranquila. Aí, com aquele lance de “pessoas razoáveis” percebi imediatamente que se tratava de você: o menino original e suas invencionices!
    Vou te contar que passarei muito longe de qualquer cemitério; sabe lá se esse gorila está de plantão e me pega?!? Até porque, modéstia à parte, eu tenho um coração enoooorme… rs e seria tudo que esse cara ia amar na vida…
    Permaneço super orgulhosa de você, indicando a leitura de suas histórias a todo mundo que conheço e amo. Essa Gabi aí em cima é minha filha e te adora também! Bom, chega de te alugar. Vou deixar espaço para outros fãs. Muitos beijos, admiração crescente e amor.
    Anrela

  2. Arthur,
    A imagem que você criou pra essa situação sem controle, um gorila zumbi à procura de grandes corações, ficou perfeita.

    Tive pena do trabalhador, mas também do gorila… afinal, quem quer viver assim, tão enlouquecido à procura de corações?

    Acompanho e adoro todos os seus textos!
    beijo grande da Gabi

  3. Artur, gostei muito da sua história. Você tem uma sensibilidade e criatividade incríveis! Já estou esperando a próxima!
    Ah… acho que a Sylvia de Castro tem razão… você vai acabar mesmo na Academia de Letras.
    Beijo carinhoso!

  4. kkkkkkkkkkk é melhor não passarem mesmo por esse cemitério, o gorila pode pegar vocês. Quem tem o coração grande aí??
    kkkkkkkkkkkkkkkkkk
    beijo, obrigado pelos comentários,
    Artur

  5. Artur,
    Você é que está “comendo os nossos corações” – no bom sentido, é claro – com as suas histórias! Nossos corações se enchem de alegria e de orgulho com o seu talento para a esscrita!
    Parabéns!
    Um beijo,
    Tania

  6. Artur,
    Você é que está”comendo os nossos corações” – no bom sentido, é claro, – com esta sua maneira especial de escrever! Nossos corações se derretem de alegria e de orgulho cada vez que lemos ums história sua!
    Parabéns!
    Um beijo,
    Tania

  7. Oi Artur, adoro ler suas histórias e gosto de contá-las para meus filhos também. Sua mãe está sempre nos lembrando desses presentes que você deixa para todos nós. A turma toda aqui adorou a história do gorila. Continue sempre nos presenteando com sua imaginação, criatividade e beleza. Espero um dia conhecer você também. Sua é uma mulher maravilhosa e uma amiga do coração e quero muito conhecer esse Artur encantador. Bjs de Claudia, Lara e Natan

  8. Artur, essa história me deixou de “coração mole”… Bom, o fato é que agora, terei cuidado redobrado ao passar pelo cemitério, com ou sem chuva! rsrs Parabéns, bacana demais a história! Um beijo, Naza

  9. Cara, mas que estória heim?… Eu simplesmente AMO as suas idéias, que você organiza tão bem na forma escrita.

    É MUITO BOM quando a gente descobre que pode juntar todos esses símbolos (as letras), organizar de formas infinitamente possíveis, para manifestar TUDO o que se passa: em nossa cabeça, real ou imaginação; os nossos sentimentos; os nossos saberes; as nossas idéias malucas; o mundo a nossa volta… e tudo isso junto também (sendo em geral o que acontece, porque a gente junta muitas coisas quando escreve, mesmo que faça sem perceber).

    Enfim, é muito bom ver o que acontece dentro da gente (no caso, o pensamento, no cérebro) tomar uma forma física, material, que passa a existir no mundo. Neste caso, virar um texto… é uma delícia, APROVEITE!!!!

  10. Que história, a desse gorila sem coração que adora comer o coração dos outros… Artur, você vai acabar na Academia Brasileira de Letras!

  11. Ótima história Artur!
    Adorei! Vou torcer para que este zumbi mude seus hábitos alimentares.rsrsrsr
    Bjs
    Cristina Ribeiro

  12. Oi, Artur!
    Mais uma fantastica historia!
    Tomara que este gorila com bons coracoes em sua barriga reflita e n’ao coma mais coracao fresquinho… vou torcer para que ele se alimente de sorrisos… bjs … (meu PC esta desconfigurado, estou com problemas para escrever)

  13. Artur, que historia bacana! E bem contada… Fico na dúvida se o gorila é do bem ou do mal… Se torço (ou não) para ele comer outros corações, que vão pulsar com força dentro dele. Puxa, você está escrevendo muito bem, parabéns!!

  14. No início fiquei um pouco espantada com a maneira que você descreveu o seu gorila, depois não deu para ficar sem sorrir, da descrição de pessoas razoáveis…e da maneira como descreveu o trabalhador magricela, que é a cara da maioria dos nossos trabalhadores brasileiros,e o coração que pulsa. Adoramos o texto, porque fizemos a questão de ler em família. Parabéns, estamos orgulhosos de você. Beijos

  15. Adorei quando você fala de “pessoas razoáveis” e a descrição que fez do trabalhador, muito parecida com a maioria dos nossos trabalhadores brasileiros.Ter esta percepção de coração e falar que quando ele pulsa estamos vivos, isto foi fantástico para uma criança de 10 anos. Parabéns, estamos orgulhosos de você.

  16. Artur, eu gostei demais dessa história! Que ideia! Gostar de pessoas razoáveis… e mais toda essa brincadeira em torno do coração. Bacana, meu filho!
    beijo, Flavia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.