(21) 2220-3300
New here? Register. ×

A criança negra na TV brasileira

seja o primeiro a comentar
17nov

No próximo dia 20, comemora-se o Dia da Consciência Negra. Para celebrar a data, a revistapontocom destaca o doc A negação do Brasil, de Joel Zito Araújo, que traz à tona a história das lutas dos atores negros pelo reconhecimento de sua importância na história da telenovela brasileira.

Ao mesmo tempo, a revistapontocom republica uma entrevista concedida pelo cineasta Joel Zito Araújo ao editor Marcus Tavares, para o então site do Centro de Referência em Mídias para Crianças e Adolescentes (Rio Mídia). Na ocasião, o cineasta, consultor da Fundação Cultural Palmares, destacava que o novo modelo de TV pública, com o advento da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e da TV Brasil, deveria garantir – de fato e de direito – a presença tanto do índio quanto do negro na grade da programação da tevê brasileira.

Zito apresentou alguns resultados da pesquisa “Onde está o negro na TV pública?”. O estudo mostrou, por exemplo, que apenas 0,9% da programação de três emissoras públicas do país (TV Cultura, de São Paulo; Rede Brasil, do Rio de Janeiro; e TV Nacional/Radiobrás, de Brasília) foi destinado à cultura afro-brasileira. O levantamento indicou também que menos de 10% dos apresentadores são negros e que somente 5,5% dos jornalistas que atuam nas empresas são de origem afro-descendente.

Acompanhe a entrevista:

Como as crianças e os jovens negros são retratados pela televisão brasileira?
Joel Zito Araújo – A televisão brasileira, privada ou pública, como regra, não dá nenhum destaque a criança negra. Temos exceções, mas a tragédia que abate os jovens negros, e, por conseqüência, a sociedade brasileira como um todo, demanda uma intencionalidade maior, uma política efetiva de promoção da auto-estima daqueles que tendem a ser representados de forma estigmatizada em nossas telinhas. Mas, os personagens mais importantes negros foram retratados como a criança adotada ou o menor abandonado. Tanto nas telenovelas dos tempos da Tupi como nas produções da Rede Globo de Televisão.

Estamos diante de uma visão estereotipada, preconceituosa, cheia de clichês?
Joel Zito Araújo – Sim. O grande clichê é o menor adotado ou abandonado, mas também tivemos o moleque de recados engraçado ou o jovem rapper. De uma maneira geral, o que mais quero destacar é que as crianças negras não têm família. É uma visão preconceituosa porque tende a incorporá-las de forma solitária em um elenco de brancos e muitas vezes fazendo o papel do mais inculto ou ignorante. Portanto, a criança negra é incorporada da mesma forma que qualquer personagem negro: entra como estereótipo de si mesmo, e nunca como representação de qualquer ser humano, do brasileiro comum. Esse privilégio somente é dado aos brancos.

Isso sempre foi assim?
Joel Zito Araújo – Sempre foi assim na história da televisão brasileira. Mas pode ser diferente, vou dar como exemplo a garota negra (Biba) da produção infantil Castelo Rá-Tim-Bum. Uma personagem linda e de sucesso.

Quais são as conseqüências desta abordagem para a constituição das identidades das crianças?
Joel Zito Araújo – A TV brasileira praticamente não oferece a possibilidade de nossa criança afro-descendente ter modelos que promovam a sua auto-estima, enquanto que as crianças brancas, especialmente as de padrão ariano, louras dos olhos claros, são hiper-representadas nos comerciais, nas telenovelas e nos filmes. O resultado é óbvio: enquanto a criança negra tem vergonha de sua negritude, de sua origem racial, porque cresce em um ambiente social e educacional de recusas que promovem uma auto-estima negativa, a criança branca cresce superpaparicada e com uma impressão de que é superior a todas as outras. Portanto, a sociedade – com o seu racismo – provoca distorções tanto nas crianças negras quanto nas crianças brancas.

Se a televisão, como dizem alguns especialistas, é o espelho da sociedade, então somos um país extremamente racista?
Joel Zito Araújo – É evidente que somos. Todos os indicadores sociais comprovam isto. O arianismo é racismo, herança hitlerista. Somos uma sociedade guiada para a promoção do branco e para a negação do afro-descendente.

O que pode se feito para mudar este quadro?
Joel Zito Araújo – Exigir do Governo e das elites econômicas, artísticas e intelectuais, o compromisso com políticas de reparação. Com inversões financeiras de vulto em programas educacionais, culturais e de saúde. E com cotas nas universidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *