(21) 2220-3300
New here? Register. ×

A sua história pode virar filme

1 comentário
Publicado em Matérias
18jun

Se você é aquela pessoa que tem uma história na cabeça e acha que ela daria um ótimo filme, não deixe de participar do I Concurso de Roteiro de Curta-Metragem, promovido pelo Portal Tela Brasil. A seleção é aberta para qualquer interessado. Além de ganhar prêmio em dinheiro, o dono do melhor roteiro pode ver a sua história na tela do cinema. As inscrições terminam no dia 15 de julho.

Para se inscrever, é preciso escrever um roteiro de ficção para um curta-metragem de no máximo sete minutos e elaborar um projeto técnico, explicando por que seu roteiro vale um filme e como você imagina que ele deva ser filmado. Depois, basta preencher um formulário online de inscrição.

Os autores dos três melhores roteiros serão contemplados com prêmios de R$1.000,00, e os roteiros selecionados serão filmados em oficinas itinerantes de vídeo do Tela Brasil. Os vencedores receberão uma cópia do vídeo em DVD.

A oficina itinerante de vídeo Tela Brasil é um projeto social e educacional que tem o objetivo de oferecer ferramentas de criação e expressão audiovisual às comunidades visitadas pelo Projeto Cine Tela Brasil. As oficinas permitem que os alunos tenham uma introdução às áreas técnicas da produção de vídeo e depois desenvolvam um curta-metragem. No Portal Tela Brasil, o interessado encontra uma série de dicas e ferramentas para saber como formatar o roteiro, com diálogos e indicação de cenas.

Confira o regulamento

Um comentário sobre... “A sua história pode virar filme

  1. Sempre gostei de escrever. Acho que realmente a vida é um script, e minha garanto que dá uma bela história. Nunca escrevi roteiros, mas vejo o que passei como um filme, ou melhor, foi um filme. Sou dentista, humanista e me considero um cara do bem. Gay assumido tive relacionamentos, porém os dois últimos é um roteiro. O primeiro deste azar amorosa era filho de bandido. Quando descobri, tentei terminar, sofri ameaças e ao mesmo tempo era traído na minha própria cama. Depois de um ano que consegui me livrar me envolvi com um cabeleireiro de Marília que era um Deus Grego de tanta beleza ( papel que cairia no Caio Castro ou no Kaua Reymond como luva). Este metido a playboy roubava meu carro de madrugada para cheirar cocaina e me trair. Não sofro por tudo isto mas não, e nem quero usar de um roteiro uma vingança…Só acredito que é uma bela história. Vários temas como homossexualidade, violência, playboys traficantes, gays que usam do corpo e da lábia para conquistar, justiça no mundo GLBT…enfim, eu acredito nesta história. Pensei no nome Dedo Podre, e a história contada em primeira pessoa (estilo Dexter), porém gostaria que o contador de historia matasse seus exs ( #ficçãoagora).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *