Boca no trombone

 

Martha Payne fotografava seus lanches com a permissão da escola e postava as fotos diariamente em seu blog “Never seconds” (“Nunca repetir o prato”, em tradução adaptada), com comentários e notas sobre a comida. Entre os aspectos avaliados pela menina, estavam a qualidade da comida, a quantidade de “garfadas” em uma porção e o número de fios de cabelo encontrados. A repercussão do blog fez com que o conselho municipal de Argyll, na Escócia, se pronunciasse sobre o assunto e fizesse uma visita à escola da menina. Resultado: o cardápio da merenda melhorou, ainda que temporariamente.

A ideia de criar o blog, segundo Dave Payne, pai de Martha, surgiu quando a menina chegou em casa comentando sobre um texto “jornalístico” que teve que fazer para um trabalho escolar. “Ela chegou dizendo que queria escrever como uma jornalista todos os dias e achamos que um blog seria a melhor ideia”, conta o pai.

Desde então, a menina, que vive com a família em uma fazenda, passou a postar fotos do que comia diariamente, com comentários sobre o cardápio. As primeiras fotos de Martha, de acordo com seu pai, foram reveladoras. As refeições, sempre em porções pequenas, incluíam pizza, hambúrgueres, frituras, poucas verduras e nenhuma fruta.

“Para ela, as fotos eram completamente normais. Para mim, foram chocantes, terríveis. Quase tão chocante quanto isso era o fato de que as crianças achavam aquela comida normal. Ela reclamava um pouco em casa, mas eu não dei muita atenção”, disse Dave.

Pouco depois do primeiro post de Martha, ele escreveu em seu perfil de Twitter sobre o blog da filha. “Na primeira meia hora, três pessoas tinham visto o blog. No dia seguinte, eram mais de 20 mil”, conta. Agora, um mês depois, o “Never seconds” já contabiliza cerca de 1,2 milhão de visitantes.

Alertado por internautas sobre o projeto, o chef Jamie Oliver chegou a mandar uma mensagem para a menina através do Twitter: “Blog chocante, mas inspirador. Continue! Com amor, Jamie”. O sucesso do blog colocou o governo local em uma saia justa. Em uma entrevista à BBC escocesa, uma representante do conselho municipal de Argyll afirmou que o almoço servido na escola não tinha problemas.

“Ela disse que não havia nada errado com a comida e que a culpa era de Martha porque ela escolheu os alimentos errados, mas ela escolhe tudo o que pode todos os dias. Mesmo irritados, não quisemos dar mais entrevistas e nos envolver, mas depois disso a comida melhorou na escola. Coisas que ela nunca viu começaram a aparecer no cardápio. Membros do conselho foram visitar a escola com jornalistas e a comida era muito diferente”, afirma Payne.