(21) 2220-3300
New here? Register. ×

Educação financeira: nova política pública

1 comentário
Publicado em Matérias
13jan

educacao-financeira

Cerca de 1.650 escolas brasileiras do Ensino Médio deverão participar de um projeto piloto de Educação Financeira neste ano. De acordo com o Governo Federal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá criar o Conselho Nacional de Educação Financeira que cuidará da formatação e sistematização do ensino. O objetivo é transformar a educação financeira em uma política pública permanente de governo e inclusive de instituições financeiras. A decisão segue orientação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A ideia é que os alunos aprendam noções sobre orçamento público, finanças pessoais e poupança. O programa já está sendo avaliado e desenvolvido sob orientação do Ministério da Educação (MEC). Os conteúdos estarão disponíveis na internet para todas as escolas – públicas ou privadas – que se interessarem.

O superintendente de proteção e orientação aos investidores da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), José Alexandre Vasco, afirmou, em entrevista ao jornal Valor Econômico, que a definição das escolas que adotarão a disciplina sairá neste início de ano.
Segundo ele, 150 escolas públicas serão escolhidas a partir do Mais Educação, programa do Ministério da Educação que amplia o tempo dos alunos na escola. Outros 300 colégios serão escolhidos entre os que têm parceria com o Instituto Unibanco, que será o responsável pelas aulas de educação financeira nessas unidades.

A técnica de planejamento e gestão educacional do MEC, Alzira Silva, acredita que outros 1.200 colégios públicos e particulares de todo o país poderão optar por oferecer aulas ligadas às finanças dentro de um universo de cinco outras unidades aptas a entrar no processo que serão criadas.

A iniciativa conta com a organização do Comitê de Regulação e Fiscalização dos Mercados Financeiro, de Capitais, de Seguros, de Previdência e Capitalização (Coremec), formado pela Comissão de Valores Mobiliários, Banco Central, Secretaria de Previdência Complementar (SPC) e Superintendência de Seguros Privados (Susep).

Leia mais
Somar, dividir e subtrair: a importância da Educação Financeira

Um comentário sobre... “Educação financeira: nova política pública

  1. Que ótima iniciativa. Estou ansionso para ver este material. Seria ótimo se a revista pudesse avisar aos leitores quando o conteúdo estiver disponível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.