(21) 2220-3300
New here? Register. ×

Professores debatem polêmica sobre livro didático

3 comentários
28maio

O livro didático Por Uma Vida Melhor, distribuído pelo MEC, ganhou as páginas da imprensa por dizer que falas populares como “os livro ilustrado mais interessante estão emprestado” ou “nós pega o peixe” não estão erradas e devem ser vistas como variações da Língua Portuguesa. Para discutir o assunto, o site da Universidade de Brasília publicou artigos de dois professores sobre o tema. Marcos Bagno, do Instituto de Letras, diz que as variações fazem parte do uso prático da língua. Já Enilde Faulstich, também do mesmo instituto, argumenta que livros devem ensinar a norma culta.

Avalie e comente.

Discussão sobre livro didático só revela ignorância da grande imprensa
Marcos Bagno

Para que serve um livro didático de Língua Portuguesa?
Enilde Faulstich

3 thoughts on “Professores debatem polêmica sobre livro didático

  1. A CARTILHA SOBRE O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA, COM

    SUAS VARIANTES REGIONAIS, FAZ APOLOGIA DE UMA LÍNGUA QUE

    VAI EXCLUIR AINDA MAIS OS EXCLUÍDOS DO BRASIL. O MEC

    COMEÇOU POR BURLAR O DECRETO NÚMERO 6.583 DE 29 DE

    SETEMBRO DE 2008, QUE PROMULGA O ACORDO ORTOGRÁFICO DA

    LÍNGUA PORTUGUESA, QUE ENTROU EM VIGOR NA DATA DE SUA

    PUBLICAÇÃO. NÃO SE DISCUTE O ASPECTO LINGUÍSTICO

    PERFEITAMENTE PLAUSÍVEL, MAS A APRESENTAÇÃO DE UMA

    LÍNGUA QUE JÁ É COBRADA NOS CONCURSOS PÚBLICOS, NAS

    EDIÇÕES DOS LIVROS DIDÁTICOS E OUTROS. ORA, OS EXCLUÍDOS

    RECEBEM ESSA CARTILHA E ACREDITAM SER A CARTILHA UMA

    VERDADE INCONTESTÁVEL, JÁ QUE FOI EDITADA PELO MEC. DESSA

    FORMA, A ELITE BRASILEIRA EXCLUI CADA VEZ MAIS OS EXCLUÍDOS.

    POIS, ENFRENTARÃO AQUELES MAIS ESCLARECIDOS EM COMPLETA

    DESPROPORCIONALIDADE. INCRÍVEL QUE SEJA JUSTAMENTE O MEC

    A FAZER TAMANHA EXCLUSÃO. ENFIM, ESSA CARTILHA NÃO DEVIA

    SER PUBLICADA E, MUITO MENOS, DISTRIBUÍDA, POIS, AGRIDE

    FRONTALMENTE A NOVA ORTOGRAFIA DA LÍNGUA PORTUGUESA,

    TRANSGRIDE O DECRETO SUPRACITADO E O PIOR, FAZ A EXCLUSÃO

    DOS JÁ EXCLUÍDOS SOCIALMENTE NESSE PAÍS. O MINISTRO DA

    EDUCAÇÃO DEVE TOMAR UMA ATITUDE FIRME NO SENTIDO DE

    RECOLHER ESSE NEFASTO MATERIAL DOS MAIS DE QUATRO MIL

    MUNICÍPIOS BRASILEIROS. A SOCIEDADE DEVE TAMBÉM SE

    POSICIONAR COBRANDO DO GOVERNO FEDERAL UMA POSTURA DE

    LEGALIDADE DESSE MATERIAL ILEGAL. PENSEM NISSO, SENHORES!

  2. É curioso se ter uma “língua” em cada lugar que se vá e em cada papel que se desempenhe.
    A valorização na escola da língua “própria do usuário” não deve ser entendida como a eliminação do ensino e do acesso à norma culta. Ou teremos legitimada a exclusão social através da negação do conhecimento.
    Alguém pode perguntar: mas o que os meninos aprenderão na escola, então?
    Nessa perspectiva, a aposta é que a aula de Português não se resuma a, apenas, ensinar Gramática e a esperança é que os professores sejam mais que transmissores de conteúdos!

  3. Se a escola não cumprir com seu objetivo principal que é mostrar o conteúdo academico correto, tanto em português quanto nas outras disciplinas integradas ou não…Eu pergunto para que ir a ESCOLA,se lá não vai ensinar nada de diferente do dia a dia do aluno? Será que a escola só tem como objetivo oferecer a refeição e tirar as “crianças” da rua? Será que ir a escola não significa mais correr atrás de uma melhor formação e com isso uma melhor qualidade de vida em todos os sentidos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.