(21) 2220-3300
New here? Register. ×

Seminário no Rio

seja o primeiro a comentar
13set

Nos dias 23 e 24 de setembro, será realizado o 1º Seminário Internacional de Psicopolítica e Consciência: para superar a discriminação. O objetivo é aprofundar as investigações e intervenções a respeito de como os indivíduos e culturas são atingidos pela discriminação construída pela mídia, pela Justiça em conflitos sociais e por processos eleitorais. A cada duas horas de palestras, o público-participante terá 1h30m para conversar entre si e com os expositores sobre os aspectos abordados. O evento vai acontecer no Instituto Infnet, no Centro do Rio. A entrada é gratuita.

“Muitos sujeitos e organizações emergem de experiências de subjugação não como emancipados e emancipadores mas como subjugadores de outros. Isto dificulta a mudança social proposta, pois ser emancipado é o efeito de ser posto pela estrutura (poder) na história (lugar determinado) e de emergir em rede como seu contraposto reflexivo (potência). A questão portanto é: como o sujeito pode fazer a dobra subjetiva na qual ele elimina de seu território mental os estados mentais discriminatórios produzidos por exemplo pelos discursos da pedagogia, da mídia e da justiça?”, indaga o professor Evandro Vieira Ouriques, coordenador-geral do encontro.

De acordo com a programação, o dia 23 será dedicado à Visões Compartilhadas, quando quatro especialistas apresentarão os fundamentos da psicopolítica e consciência. O dia 24 será dedicado aos Territórios Compartilhados, quando treze especialistas acadêmicos e não-acadêmicos e lideranças sociais (coletivos e redes) tratarão das conexões entre suas áreas de atuação e o tema do seminário.

Confira a programação
Dia 23 de setembro de 2014

Visões compartilhadas
14h – Abertura
Evandro Vieira Ouriques, Coordenador do NETCCON.ECO.UFRJ, e Marcelo Serpa, Coordenador do NUMARK.ECO.UFRJ -Coordenadores do Seminário- Representante do INFNET, e Samuel Ossa, Consul-Geral do Chile.

14h30m às 16h30m – 
1a. Sessão
– Sujeição criminal: Quando o crime constitui o ser do sujeito.
Michel Misse – Coordenador do Núcleo de Estudos de Cidadania, Conflito e Violência Urbana-IFCS-UFRJ.
– Argumentaciones discriminatorias en las sentencias penales de imputados mapuches en los tribunales de la región de La Araucanía, Chile: Crítica a la ‘certeza moral’ como razonamiento hegemónico.
Carlos Felimer Del Valle Rojas –Decano de Educación, Ciencias Sociales y Humanidades, Universidad de La Frontera, Temuco, Chile.

16h30m às 18h – 1h30m de Interação Público e Expositores

18h às 18h30m – 
Confraternização

18h30 às 20h30m – 2a. Sessão
– Opinião Pessoal e Opinião Pública.
Marcelo Serpa – Coordenador do NUMARK-Núcleo de Marketing-ECO-UFRJ.
– Psicopolítica e Consciência: para superar a discriminação.
Evandro Vieira Ouriques – Coordenador do NETCCON-Núcleo de Estudos Transdisciplinares de Comunicação e Consciência-ECO-UFRJ.

20h30m às 22h – 1h30m de Interação Público e Expositores

Dia 24 de setembro de 2014 

Territórios compartilhados
14h às 16h – 1a. Sessão
– Fortalecer imagens interiores.
Ratão Diniz – Imagens do Povo, Coletivo Favela em Foco e Projeto Revelando os Brasis-MinC.
– Temos o dever moral de desobedecer a estados mentais violentos.
Evandro Rocha – Pedagogo Comunitário, Amparo, Nova Friburgo.
– Yuluka y Zhigonezhi: principios del pensamiento indigena para la resilencia.
Lorena Aja Eslava – Diretora do Programa de Antropologia, Universidad del Magdalena, Colombia.
– Tecnologias da sociabilidade contemporânea e formação da opinião.
Claudio Rabelo – Universidade Federal de Santa Maria.
– Pueblo Misak, del destierro a la resistencia: emergencia de lo ancestral en el mundo contemporáneo.
Maria Isabel Noreña – Universidad Minuto de Dios, Colombia. 
– Reich, Acontecimentos Sociais e Processos Psíquicos.
Frinéa Souza Brandão – Diretora da NeuroFocus Psicoterapias.
– O jornalista precisa conhecer a própria identidade do que é ser jornalista para cumprir seu papel na sociedade.
Paula Máiran – Presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro.

16h às 17h30m – 1h30m de Interação Público e Expositores

17h30m às 18h – Confraternização

18h às 20h15m – 
2a. Sessão
– Lembrar da luta de meus ancestrais me faz forte no respeito ao outro e no encontro do que nos une.
Anapuaka Tupinambá Hãhãhãe – Coordenador da Radio Yandê, do Grupo Raízes Históricas Indígenas e da Rede de Cultura Digital Indígena.
– Emancipação no Hip Hop, a questão do Quinto Elemento.
Luck Gbcr – Universal Zulu Nation, Brasil.
– Valores ancestrales en la resiliencia de liderazgos en el Caribe colombiano. 
Eduardo Forero – Programa de Antropologia, Universidad del Magdalena, Colombia. 
– Reconhecendo Potências Emancipadoras.
Victor Hugo Rodrigues – Honório Gurgel Coletivo.
– Autorrepresentação e Protagonismo: a experiência do Cafuné na Laje.
Léo Lima – Cafuné na Laje.
– Produção de encontros na zona norte do rio: ser o que eu quero pro mundo.
Carlos Meijueiro – Norte Comum.
– Proteger-me de mim mesmo para ser fiel ao que me fez ser dirigente sindical.
Afonso Celso Teixeira – 1º Vice-Presidente do Sindicato de Professores do Município do Rio de Janeiro e Região.

20h15m às 21h45m – 
1h30m de Interação Público e Expositores

21h45m – 22h – Conclusões, Compromissos e Confraternização

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *